fdsfdsff

Com suas vendas descontinuadas no Brasil há muitos anos e considerado mico no mercado de usados, o Hyundai Accent – pelo menos lá fora – continua mudando, e sempre pra melhor. Prova disso são as primeiras fotos do interior do novo carro, que já roda disfarçado na Coréia do Sul, seu país de origem.

Com design claramente inspirado no Hyundai Sonata 2010, ele repete detalhes marcantes do irmão maior, como o teto com curvatura acentuada e a linha de cintura alta, que acabam criando a impressão visual de um carro mais “musculoso”. Mas o melhor está no seu interior…

O investimento massivo da Hyundai em qualidade mecânica, tecnologia e design, com o passar dos anos, acabou fazendo muito bem ao Accent. Se antes ele era considerado um carro com design duvidoso e qualidade idem – razões pelas quais ele era visto com desconfiança pelos consumidores brasileiros na década de 90 –, hoje as fotos mostram que ele não deve nada em qualidade a certos modelos maiores e mais luxuosos. A impressão é de materiais de primeira e muito bons ao toque, além de bem montados e com layout muito bonito. A ergonomia também parece ter sido aperfeiçoada, com todos os comandos situados no lugar certo, alavanca de câmbio mais próxima do motorista com porta-copos na lateral, apoio central de braços e botões dos vidros no descansa-braço da porta, em posição elevada para facilitar o acionamento. Os bancos em couro e os detalhes de alumínio também mostram cuidado por parte da Hyundai e dão à cabine uma notória sensação de luxo e conforto digna de seus irmãos maiores – o que não deixa de ser surpreendente para um sedã pequeno.

Construído sob a plataforma do i20, é certo que ele será disponibilizado nas versões sedã e hatch de 2 portas, esta última bem comum naquele mercado. E se a Hyundai resolver trazê-lo novamente para o Brasil (o que não seria ruim de jeito nenhum), ele certamente traria um novo padrão para o segmento de sedãs pequenos, há muito carente de lançamentos tecnologicamente mais avançados. É esperar para ver.

Texto escrito por: Maximiliano Moraes