A Mercedes-Benz vem trabalhando no desenvolvimento de uma picape de porte médio e o conceito desse modelo teve seus primeiros flagras feitos na Espanha. Trata-se de uma picape baseada na plataforma da Nissan NP300 Navara, no entanto com desenho e interior totalmente projetados pela Mercedes. Espera-se que a nova picape, que deverá entrar no mercado sob o nome GLT, seja exibida no ano de 2017.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Apesar de estar em fase de testes e totalmente camuflada, é possível perceber, através das imagens, que a picape da Mercedes terá paralamas bastante largo e arcos circundando a parte superior das rodas traseiras. Um teaser, divulgado pela marca no ano passado, deu uma boa idéia de como será a aparência final do modelo.

Teaser da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Divulgação.

Teaser da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Divulgação.

A Mercedes-Benz GLT 2017 será o primeiro modelo da marca alemã a carregar a letra “T” em sua nomenclatura. Especula-se, na imprensa especializada, que a picape seja disponibilizada em opções com motores de quatro ou seis cilindros, movidos a gasolina ou diesel, acoplados à uma transmissão manual de seis velocidades ou automática de sete, chamada de 7G-Tronic.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Flagra da Mercedes-Benz GLT 2017. Foto: Reprodução/autoevolution.

Informações dão conta de que os públicos-alvo iniciais para a comercialização da Mercedes GLT serão a América Latina, África do Sul, Austrália e Europa. Sua fabricação, provavelmente, se dará na Argentina, na fábrica da Renault, e na Espanha, na planta da Nissan, como parte da estratégia de atender os mercados regionais destes países. Para o mercado nacional não há confirmação oficial, no entanto, certamente, o modelo seria muito bem-vindo por aqui.