A Ford anunciou que recebeu autorização para iniciar os testes de veículos totalmente autônomos nas ruas da Califórnia, nos Estados Unidos. O Fusion Hybrid foi o escolhido para esta iniciativa de pesquisa pioneira da marca em 2016.

Ford Fusion Hybrid Autônomo. Foto: Divulgação.

Ford Fusion Hybrid Autônomo. Foto: Divulgação.

Essa experiência avançada faz parte do Programa de Teste de Veículos Autônomos da Califórnia, do qual a Ford é participante oficial. O projeto representa mais um passo no desenvolvimento que a marca realiza há 10 anos focado em novas soluções de mobilidade, conectividade e experiência dos consumidores.

Palo Alto

O Centro de Pesquisa e Inovação da Ford em Palo Alto é um dos maiores da indústria automotiva na região. Inaugurado em janeiro, ampliou a presença da empresa no Vale do Silício, que começou em 2012. A equipe é formada por pesquisadores, engenheiros e cientistas, e 80% vieram do setor de tecnologia. Os demais são empregados da Ford transferidos dos Estados Unidos, China, Alemanha e Austrália, com experiência em engenharia e design automotivo.

O laboratório da Ford no Vale do Silício começou como um escritório de 15 empregados e hoje é um centro de pesquisa e desenvolvimento com mais de 100 pessoas.

A Ford mantém também parceria com universidades de topo, como a da California-Berkeley, Carnegie Mellon, Santa Clara e San Jose State, e em 2016 vai ampliar a pesquisa estratégica junto com a Universidade de Stanford

“Nosso time em Palo Alto cresceu significativamente este ano, usando a pesquisa e inovação para desenvolver as soluções de mobilidade do futuro”, diz Mark Fields, presidente mundial da Ford.

Fusion Hybrid Autônomo e Mark Fields, presidente mundial da Ford. Foto: Divulgação.

Fusion Hybrid Autônomo e Mark Fields, presidente mundial da Ford. Foto: Divulgação.

Pesquisa avançada

Entre as pesquisas realizadas no local estão o test-drive virtual de carros autônomos, sensores de visão 360 graus e sistemas de detecção de pedestres.

O test-drive virtual é usado para estudar a interação entre o carro autônomo e os pedestres. Reproduzindo ambientes reais, permite entender melhor e desenvolver soluções para situações inesperadas que podem ocorrer nas ruas. Para dar uma visão de 360 ​​graus em torno do carro – incluindo sinais de trânsito, outros veículos e pedestres – informações geradas por vários sensores precisam ser fundidas. As câmeras de identificação de pedestres, pela sua importância, são objeto de um projeto à parte.