A Porsche, fabricante alemã de carros esportivos, deu início, na última quarta-feira (11), às operações de sua primeira subsidiária no país. Trata-se da 18ª subsidiária no mundo e da primeira organização própria de importação da Porsche na América Latina. O objetivo é fazer com que o Brasil volte a ser o principal mercado da fabricante na região. Hoje, o país encontra-se na segunda posição, atrás apenas do México.

Emblema da Porsche. Foto: Divulgação.

Emblema da Porsche. Foto: Divulgação.

A subsidiária Porsche chega com a promessa de trazer lançamentos inéditos, além da ampliação da rede de concessionárias, no entanto, os planos para a construção de uma fábrica no Brasil permanecem descartados e todos os modelos comercializados no país continuarão a ser importados da Alemanha.

O empreendimento, localizado no bairro do Brooklin, na cidade de São Paulo (SP) é resultado de uma ação conjunta entre a Porsche AG e a Stuttgard Sportcar que, anteriormente, já importava os carros da marca para o Brasil. Atualmente a Porsche conta com sete pontos de vendas, que estão localizados em Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), São José do Rio Preto (SP) e São Paulo (SP), todos controlados pelos dois importadores. Dentre as novas localidades, a primeira confirmação é a inauguração de uma loja em Recife (PE), com abertura prevista para março de 2016.

Inaugurando a operação, o Porsche 911 GT3 foi o primeiro carro importado pela empresa. Espera-se a chegada do Porsche Cayenne Hybrid Plugin, facilitada após a decisão da Câmara do Comércio Exterior (Camex) que isenta da alíquota de 35% do imposto de importação carros elétricos e movidos a células de combustível, do novo Porsche 911, que estreou em setembro no Salão do Automóvel de Frankfurt, e a versão de entrada do Porsche Carrera 4.