seguro-automotivo

Carros populares assim como os carros antigos podem ser os mais baratos no mercado, porém, o baixo valor nem sempre se estende a outros custos, um exemplo é o seguro de automóveis. Modelos populares podem figurar na lista dos mais visados para roubos, e os carros velhos têm as suas peças de reposição mais caras, o que faz com que o risco de uma seguradora seja maior.

Esses são alguns dos exemplos que mostram o quanto um fator influência no preço de um pacote de proteção de automóveis. “Existem mais de 400 variáveis que influenciam no preço de um seguro”, afirma Richard Furck, diretor da corretora H&H.

Uma apólice de seguros tem seu preço final composta por uma base chamada de “perfil de risco” do segurado. Nesse quesito, até a idade do condutor principal altera a conta final. Conheça alguns dos principais fatores que alteram o preço de um seguro auto.

1) Dispositivos de localização e bloqueadores

Instalar dispositivos de rastreio, bloqueio ou alarmes ajuda a obter até 20% de desconto na hora da contratação do seguro. O investimento em sistemas eletrônicos pode até ser pago após algumas renovações de seguro com desconto. Esses dispositivos de segurança trazem maior proteção ao veículo e dificulta a ação de bandidos, além de facilitar a localização em caso de roubo.

2) Serviços extras

A cobertura mínima de um seguro auto deve conter proteção contra incêndio, colisão e roubo. Outras coberturas, como a extensão a terceiros, também são recomendadas. Mas há serviços que se deve uma atenção maior na hora de fechar contrato. Um exemplo é a contratação de assistência e guincho, recomendada por especialistas. “Cerca de 10% dos segurados da Allianz acionam a empresa por sinistros, mas 40% acionam para uso da assistência 24 horas”, afirma Pedro Pimenta.

3) Idade e sexo

Outros fatores que contribuem para à economia no preço final na contratação do seguro auto são, a idade e o sexo. Todas as empresas de seguro possuem uma tabela de riscos contendo estatísticas que mostram o perfil de motoristas que se envolvem em acidentes. Com isso, as seguradoras entendem que um motorista de 18 anos, recém-habilitado, oferece maior risco por figurar o topo da lista. As mulheres são apontadas como as mais cautelosas no volante. Segundo Rodrigo Caixeta, diretor-executivo da empresa de cotações online Smartia, elas pagam seguro de carro de 9 a 12% mais barato que os homens, que são responsáveis por 71% dos acidentes de trânsito.

4) Proteção de uma garagem

Esse é outro recurso que torna o risco para as seguradoras mais baixo. O desconto para o segurado pode reduzir até 20% de acordo com o período que o carro passa dentro de um local seguro. “Se o segurado declarar que tem garagem, a cobertura só vai ser válida caso o veículo esteja estacionado no lugar indicado”, ressalta Mário Sérgio Almeida Santos, presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros, de Empresas Corretoras de Seguros, Resseguros, de Saúde, de Vida, de Capitalização, de Previdência Privada no Estado de São Paulo (Sincor-SP).

5) Áreas de risco

Índices de roubo também contam como variável no preço do seguro, cidades com elevado risco tendem a ter o preço do seguro mais alto. Dentro de uma mesma cidade, o preço também pode variar. Além da diferença no valor de acordo com os bairros, pode mudar até entre ruas de uma mesma região. “Locais próximos a estradas tendem a ser mais caros, pois têm rota de fuga facilitada em caso de roubo de um veículo”, diz Furck.