Desde que o 500 voltou a ser fabricado, a Fiat planeja lançar uma versão mais envenenada do compacto no mercado brasileiro. Mesmo com toda a expectativa criada sobre o lançamento ou não dessa configuração, a montadora italiana demorou, mas finalmente anunciou a vinda do 500 Abarth para o Brasil.

Com chegada prevista para o fim de 2014, o Fiat 500 Abarth será importado do México, o que pode acabar prejudicando as suas vendas, uma vez que o número de modelos que virão para o Brasil serão limitados, devido às leis de importação.

Flagrado pelas ruas de Betim, local onde está localizada a fábrica da Fiat, o 500 Abarth conta com a mesma estrutura e design da versão tradicional, no entanto para apimentar o modelo, a montadora italiana adicionou diversos acessórios e novidades ao compacto.

A carroceria conta com detalhes em tons diferentes, saias laterais, spoilers, adesivos que fazem alusão à versão, logotipo resenhado na grade frontal, entre outras pequenas novidades que deixam o 500 Abarth ainda mais “envenenado”.

O interior, embora tenha sido revisado, ainda sofre com a falta de espaço, o que acaba incomodando e muito os ocupantes do Fiat 500 Abarth e de qualquer outra versão da linha. De positivo podemos citar o volante com desenho mais agressivo e melhor apoio para os polegares, manopla de câmbio menor e mais esportiva, adição de mais um relógio no painel de instrumentos (que informa a pressão do turbo) e bancos do tipo concha com abas bem pronunciadas (aquelas que abraçam o corpo).

Se a parte interna continua decepcionando, a motorização é digna de elogios, uma vez que o motor 1.4 16V MultiAir capaz de gerar 162 cv de potência é bastante valente e garante um bom desempenho ao compacto.

Mesmo sem uma definição por parte da Fiat, a informação que circula no meio automotivo é de que o 500 Abarth custará algo em torno de R$ 70 mil, sendo assim, mais barato do que o Citroën DS3 (R$ 79.790). Lembrando que a versão mais cara do modelo é a Cabrio, custando R$ 62 mil.