Volvo afirma ser difícil vender no Brasil atualmente

Sofrendo com as regras atuais de importação de veículos, a Volvo através de seu presidente mundial, o sueco Hakan Samuelsson, fez um desabafo em relação ao mercado brasileiro para seus veículos durante a abertura do Salão de Frankfurt 2013.

Nas palavras dele a atual tributação imposta pelo governo em 2012 no novo regime automotivo não está fácil para as marcas que não possuem fábrica instalada no país e que por enquanto a Volvo deve atuar apenas como uma marca de nicho e baixo volume em nosso mercado.

O baixo volume inclui a cota de 4.800 unidades que estão livre de taxação adicional. A partir disso são cobrados 30% de IPI (Imposto sobre Produtos industrializados). Apenas ficam isentos do imposto adicional aqueles que já possuem fábrica instalada no país.

Para não atrasar seus planos de expansão mundial a marca pretende investir ainda mais na Rússia e na China, que viraram a prioridade nesse momento. Isso não quer dizer que não há planos para a instalação de uma futura unidade no país assim como anunciaram a rivais Mercedes-Benz, Audi e BMW, mas no curto prazo não há nada voltado a esse sentido.

Quanto aos novos modelos, a marca lançou em junho o hatch médio V40 e na metade do mês passado foi a vez de apresentar o modelo XC60 reestilizado. Para o ano que vem a marca prepara a vinda do V40 R-Design e da nova geração do utilitário esportivo XC90, que inclusive vazou em um evento interno há pouco mais de duas semanas.